terça-feira, setembro 04, 2007

Pit Bull Vilão ou Vítima

Carolina GodoyDo Diário OnLine
O ataque de um pit bull a uma menina de 6 anos no bairro Valparaíso, em Santo André, na última sexta-feira, reacendeu o debate sobre a raça de cão mais polêmica do Brasil. E levantou também a seguinte questão: o vilão é realmente o cachorro ou o dono?
Veterinários, criadores e adestradores concordam, sim, que o pit bull é uma raça forte, de porte atlético e com uma mordida capaz de exercer uma pressão de aproximadamente 200 quilos. Portanto, se criado em condições propícias ao desenvolvimento de um comportamento agressivo, pode causar estragos.
No caso da menina Luana Cristina Vizignani, o ataque de um cão da família lhe rendeu graves ferimentos na cabeça, tórax, braços, rosto e nádegas. A criança só escapou da morte porque nenhum órgão vital foi atingido. Vizinhos dizem que o animal já tinha histórico de violência: em apenas um ano, havia atacado outras duas pessoas.


Segundo o veterinário Gilberto Penteado Kairalla, de São Bernardo, o cruzamento indiscriminado da raça, sem preocupações com a genética, gerou um desequilíbrio do animal e tirou do pit bull o status de melhor amigo do homem. "A raça pura, original, não seria dessa forma (agressiva), mas com os cruzamentos sem critérios o pit bull se tornou um cão pouco confiável", explica Kairalla, destacando que uma melhor seleção dos reprodutores poderia mudar esse quadro.
Independentemente do problema gerado pela procriação desordenada, o veterinário defende que o tratamento dispensado pelo dono é determinante no comportamento do animal. "Se o dono estimular o cachorro a atacar, é claro que ele vai se tornar agressivo. E você consegue fazer isso até com um cão de companhia, como um lhasa apso", diz.
A mesma opinião é defendida pelo veterinário José Francisco Colombo, da Gerência de Controle de Zoonoses de Santo André. Para ele, os pit bulls têm sido "vítimas de injustiças por parte de seus donos, que usam esses animais para tratar algum complexo de inferioridade e os treinam para ser agressivos e ferozes".
O treinador Ivan Santos, o Neguinho, de São Bernardo, também acredita que o cachorro é o espelho do dono. "Um poodle pode virar um cão agressor se você bater na cara dele, se puxar o bigode ou se praticar outros tipos de maus-tratos. E o mesmo vai acontecer com um pit bull, um rotweiller, um cocker. O dono tem que ter paciência e carinho", defende.
Posse responsável – O abandono de cães agressivos se tornou uma desagradável tendência nos últimos tempos. Donos que não conseguem lidar com o temperamento de seus animais acabam jogando-os nas ruas ou mesmo pedindo o recolhimento pelo centros de controle de zoonoses, onde são mortos em poucos dias ou, até mesmo, em poucas horas.
Diante desse cenário, José Francisco Colombo pede aos proprietários de raças como o pit bull que pensem no bem-estar do animal antes de abandoná-los em vias públicas. Segundo ele, ataques como o que vitimou a menina Luana são isolados, apesar de despertar a insegurança dos donos, principalmente em casas onde há crianças e idosos.
"Infelizmente, muitos animais inocentes vão morrer porque a população está apavorada", comenta. "É uma pena que esses cães paguem o preço da falta de posse responsável", acrescenta.

3 comentários:

pattybella disse...

Caro amigo, venho procurando ha algum tempo o contato do Ivan Santos , o neguinho para adestrar meu cão, você pode me ajudar ?
www.pattybella.wordpress.com
Obrigada
Paty

Pedro Koiffman disse...

Infelizmente não tenho contado de adestradores.

Pedro Koiffman disse...

Infelizmente não tenho contado de adestradores.